sexta-feira, 14 de outubro de 2011

festa de halloween classuda - parte I

 

Noah vai fazer 3 anos no dia 31 de outubro.

Lembro como se fosse ontem: assim que ele nasceu, o médico olhou pra cara linda do bichinho e exclamou:

- Sabe que dia é hoje, Noah? Dia 31 de outubro, dia das bruxas. Adivinha qual vai ser o tema de todos os aniversários da sua vida?

***

Halloween. Ai, o halloween.

Eu não tenho nada contra a festa em si e tenho zero problema com o fato de ser uma festividade emprestada dos gringos  - afinal de contas, quantas são as festividades genuinamente brasileiras?

O meu problema com o halloween é meramente estético: muita aranha, muito preto, muito laranja.

Ano passado eu "hallowinizei" bem timidamente: umas abóboras na parede, um esqueleto no bolo e só.

Esse ano eu estava justamente planejando uma coisa clean, cheia de tons pastéis, infestada de vidrinhos blim-blim. (Para entender esse post, leia sobre os planos da festa aqui.)

Ocorre que Noah está numa fase super mega blaster black. Adora bruxas. Ama morcegos. A Cuca. Se amarra no Lobo (até desconfio que torça por ele, em todas as histórias). Não dá a mínima pra joaninha, pra oncinha pintada, ou pro coelhinho peludo. O negócio dele é aranha. Semana passada ele falou enquanto dormia. Ele gritava "This spider is mine! She is my friend, I love her!" (nós não falamos inglês em casa, mas o rapaz sonha na língua que ele quiser, não é verdade?). Era um tal de "Essa aranha é minha, ela é minha amiga, eu a amo". Avalie.

Eu não tenho nada a ver com isso, o rapaz enveredou so-zi-nho pelo caminho das trevas.

Mas é lógico que o fato de ter um filho dark, por si só, não me faria sucumbir a aranhas ridículas, máscaras paraguaias e TNT alaranjado.

Foi toda uma gama de sinais dessa vida da gente. Pense comigo:

1. Aqui o halloween é uma festa importante, muito mais pela influência estrangeira que pela cultura local. E, pelo que tenho observado e ouvido: ai, gente, como as crianças se divertem. Não tem jeito: criança adora se fantasiar, procurar doce e dançar Thriller, do Michael Jackson.

2. As brincadeiras de Halloween são bem legais, depois vou falar mais sobre o assunto.

3. Meu filho é dark e a festa é dele. Ele não é um cara de motivos, mal sabe quem é Ben 10 e não tá nem aí pros Carros. Eu tenho ho-ras de vídeo do rapaz contando histórias e to-das envolvem bruxas, dinossauros e men at work (os homens da construção civil, que fazem aquela barulheira e Noah acha que eles são lobos disfarçados. Ele me pediu pra não contar pra ninguém, então guardem segredo.) Eu nunca comprei um livro de contos de terror, nada disso. A esculhambação sai toda da cabecinha dele. Várias vezes ele está conversando e olha pra algum lugar atrás de mim, dizendo "A bruxa acabou de passar atrás de você, mamãe." Dá até medinha, mas o que esperar de um rapaz que nasceu em um 31 de outubro?

***

Mas será possível fazer uma festa de Halloween CLEAN, linda e que não seja assustadora, muito preta, muito alaranjada, muito Marilyn Manson? Desafios, desafios. E quando eu falo em "fazer", é fazer mesmo, tipo mão na massa. Ah! Eu também já disse que nasci desprovida de talentos manuais, certo?

2 horas de pesquisa (sabiam que o halloween é uma festa originalmente celta?), um litro e meio de café e 327 abóboras depois, eu encontrei a luz no final do túnel. A esperança veste branco:

 

[caption id="attachment_1798" align="aligncenter" width="600" caption="não sou laranja, não sou aranha e não levo tnt"][/caption]

Não são liiiindos os fantasminhas, people?!

O que eu já tenho: o tecido branco, as fitinhas e a caneta preta. Como sou meio desastrada e sem jeito para os manuais, comprei olhos já feitos, bem pequenos, aqueles de boneca, sabem? Pirulitos só compro quando o aniversário estiver mais próximo (pirulito, gente, pirulito, aquele troço cheio de açúcar e corante - e tem outro jeito? espinafre não orna com fantasminha, sorry.)

Dúvida: vocês conhecem alguma outra maneira de deixá-los em pé, que não seja enfiando eles no amigo isopor?

***

Outra lindeza:

[caption id="attachment_1799" align="aligncenter" width="420" caption="prazer, sou o balão morcego"][/caption]

O que eu já tenho: balões pretos, cartolina branca e preta. Pensei em comprar olhos já prontos, mas achei um pouco caro. Vou cortar as asas, os dentes, os olhos - deixar tudo prontinho. Encher os balões no dia anterior e colar tudo. Vai ser meio corrido, mas diz se não vale à pena, gente?

***

Next:

[caption id="attachment_1800" align="aligncenter" width="420" caption="não sou apenas uma garrafinha de leite, não senhor!"][/caption]

O que eu já tenho: o leite aqui em casa é fresco e vem em garrafas exatamente assim. Tenho a caneta.

Dúvida: As garrafas da foto estão iluminadas por luzes de natal de baixa voltagem (e as garrafas são furadas atrás). Como eu não quero nada conectado à tomada, por medidas de segurança, estou em busca daquelas velas de mentira, sabem? Aquelas com chama de mentirinha! Alguma outra idéia? Pelamor?

***

Vou tentar também algumas decorações não D.I.Y., compradonas mesmo. Mas muita coisa está sendo feita aqui, com sangue, suor e cerveja.

As sacolas de feltro (para as lembrancinhas) foram compradas prontas, mas eu costurei uma aranha em cada uma. Cos-tu-rei. Gostei mais ou menos, mas acho que serve bem como bolsinha pra guardar as coisitas que vou esconder pelas árvores.

Ai, gente! Muita emoção, ansiedade e satisfação.

Notas:

- Estou aceitando todos os tipos de pitaco e agradeço muito. Quem quiser ver dicas interessantíssimas sobre festas de aniversário, vai lá no link do MMqD e leia os comentários. Aliás, hoje tem post meu por lá! Clica aqui!

- Eu ia postar sobre a festa somente depois do aniversário, mas achei que algumas pessoas pudessem querer aproveitar idéias e - quem sabe - se empolgar no balão-morcego!

- Ainda vou usar meus vidrinhos blim-blim (no próximo post falo dos comes & bebes e das brincadeiras.)

- O halloween para crianças de 3 anos é diferente daqueles para crianças maiores. Aqui nada vai ser muito hardcore, pra não assustar as crianças. Brincadeiras adequadas pra idade, sem faca, sem sangue nem muito menos mãos e dedos de borracha sobre a mesa. Bléca - not really my cup of tea.

- Marido, que a princípio ia se fantasiar de palhaço, agora vai ganhar fantasia de halloween e dançar Thriller, do Michael Jackson.

- Não tenho nada contra festas em buffet, playground ou na casa da Xuxa. Mas em auto-análise profunda (ouch!) descobri que esses momentos em que minha mãe preparava as festas, foram os mais felizes da minha infância. Acho que aqueles eram os raros momentos de união por um objetivo em comum, sei lá. Sou esquisita. Então estou passando as tradições adiante: na páscoa escondi ovos, fiz café da manhã para amigos e muitas crianças. Nos natais passados, Noah era muito pequeno e eu nem me preocupei muito. Mas neste Natal Noah já estará com 3 anos e já estou começando a escolher aquela que será nossa árvore, e aqueles que serão nossos enfeites, por anos e anos. Quero que ele cresça sentindo aquele cheiro de enfeites de Natal guardados, recém tirados da caixa, sabe como? Sou romântica, sou louca, uarevér.

fotos daqui.

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

toma, mãe natureza!

 

Recadinho corrido, só mesmo pra agradecer aos afagos recebidos no último post. Uia, cada abraço apertaaaaado que eu ganhei!

Obrigada, de coração.

Lendo e relendo os comentários, cheguei à seguinte conclusão: para engravidar é preciso desencanar.

E não me refiro a um desencanar mequetrefe, não senhoras. O desencanamento tem que dar-se de forma intensa, verdadeira, telúrica *.

Então vamos às medidas desencanatórias:

1. Marcar viagem pra Tailândia, de preferência em um lugar não indicado para grávidas. Uma boa sugestão são hotéis que não sejam apropriados para o estado gravídico da pessoa (termos de busca no google: hotel com escadas íngremes, banheiras pequenas, jet ski, lambada, peixe crú, cachaça, anoréxicas, drogas, salada mal lavada).

2. Inscrever-se na aula de dança indiana (essa merece um post, vocês não têm noção no que eu fui me meter).

3. Emagrecer:

Tudo começa quando você ganha uns quilitos e cai no famoso golpe do "bota tudo na conta".

Você pensa:

"Ah, pra que perder esses dois quilinhos? Já vou engravidar mesmo! Vou botar tudo na conta. Quem é que vai saber distinguir  coxinha de nenê da coxinha de galinha?"

O problema é quando você não engravida. E é a coxinha de galinha que reina, absoluta, na pança cheia.

4. Parar de ler sobre gravidez, já rasguei tudo que eu tinha (mentira).

5. Ir pra balada com o marido, dançar, gesticular, beber, falar alto, ser jovem, ser adolescente (que engravida até menstruada, lembra?)

6.  Proferir, diariamente, o  Mantra da Desencanação Gravídica. E veja, esta é a parte mais importante do plano:

Ao acordar, olhar-se no espelho e repetir o mantra:

"Quer saber, mãe natureza?? Adivinha? Agora sou EU que não quero mais, não que-ro, não que-ro. Pode tratar de direcionar seus poderes fertilizadores a uma outra pessoa. Porque eu, darling, tô fora!"

O mantra deve ser recitado de forma intensa e verdadeira (?). Após o mantra, gargalhar bem alto, jogando a cabeça pra trás. Se quiser desafiar a mãe naturebas ainda mais, pode fazer caretas, colocar a língua pra fora e os dedinhos no nariz, estilo Claudinho & Bochecha.

***

* Ontem eu escutei a música "Telúrica" de Baby Consuelo e imediatamente pensei "Se eu não usar a palavra telúrica num post eu vou morrer. Ou não vou emagrecer." - o TOC está piorando, não riam.

** post escrito em 22 minutos, é favor ignorar erros, falta de lógica e afins.

*** hoje tem vídeo nosso na TV MMqD. Gente, a mulherada abrindo o coração e falando sobre os  bem guardados segredos da maternidade - aqueles que ninguém teve a delicadeza de te contar. Passa lá!!!

 
 

Recadinho corrido e sem vergonha, só mesmo pra agradecer aos afagos recebidos no último post. Uia, cada abraço apertaaaaado que eu ganhei.

Obrigada, de coração.

Lendo e relendo os comentários, cheguei à seguinte conclusão: para engravidar é preciso desencanar.

E não me refiro a um desencanar mequetrefe, não senhoras. O desencanamento tem que dar-se de forma intensa, verdadeira, telúrica.

Respirar fundo, bater no peito mais forte  e dizer:

"Quer saber, mãe natureza?? Adivinha?? Agora eu é que não quero mais, não que-ro, não que-ro. Pode tratar de direcionar seus poderes fertilizadores a uma outra pessoa. Porque eu, darling, tô fora!"

- E daí gargalhar, jogando a cabeça pra trás. Se quiser pode rir assim ó: Hahahahahaha, toma mãe natureza!

- E marcar viagem pra Tailândia, de preferência em um lugar não indicado para grávidas, tais como: hotéis com escadas íngremes, banheira pequena, peixe crú, essas coisas.

- Se inscrever na aula de dança indiana (merece um post, vocês não tem noção no que eu fui me meter).

- Emagrecer. Gente. Tudo começou quando eu ganhei dois quilitos e caí no famoso golpe do "bota tudo na conta". Pensei:

"Ah, pra que perder esses dois quilinhos? Já vou engravidar mesmo! Vou botar tudo na conta. Quem é que vai saber distinguir  coxinha de nenê da coxinha de galinha?"

- Parar de ler sobre gravidez, já rasguei tudo que eu tinha (mentira).

- Ir pra balada com o marido, dançar, gesticular, beber, falar alto